Prática em arquitetura


Rio de Janeiro Brasil




EXPOGRAFIA

Pavilhão Casa França-Brasil

-



2016
Centro Rio de Janeiro, RJ

EQUIPE Arquitetura Juliana Sicuro e Vitor Garcez Curadoria Marcelo Campos, Pollyana Quintella, João Paulo Quintella, Laura Cosendey Design gráfico Lucas Pires















A exposição proposta pela curadoria da Casa França-Brasil, uniu treze instituições cariocas —dentre elas museus, galerias e espaços independentes— a fazer parte de uma “exposição de exposições”.
O título dado de antemão à mostra pela curadoria, “Pavilhão”, toma partido da característica do espaço da CFB, um antigo pavilhão que abrigou a primeira “praça do comércio” da cidade. O projeto foi construído em 1819 por Grandjean de Montigny, arquiteto recém chegado ao Brasil pela Missão Francesa.


Para a etapa inicial do projeto, a curadoria não tinha informação de que materiais seriam expostos por cada instituição. Propomos então a instalação de uma estrutura composta por expositores de tipos diversos (mesa, painel vertical, estrutura vazada e estante) que poderiam ser escolhidos pelas instituições, de acordo com o material que pretendiam expor. O conjunto dos módulos expositivos formaria uma estrutura autoportante, independente da casca existente no centro do grande espaço da CFB. Foi enviado às instituições um manual com as especificações de cada tipo de expositor.













O resultado final desta proposta foi uma estrutura que combina os expositores escolhidos pelas instituições, de forma que se pudesse manter a permeabilidade visual do espaço do pavilhão.Essa estrutura vazada permitiu que as apropriações institucionais variadas pudessem ser vistas lado a lado de forma não hierárquica, como em um "gabinete de curiosidades".


















A estratégia de ocupação concentrada da estutura libera as áreas ao seu redor. Para essas áreas foram propostos bancos e uma grande “rampa”: uma plataforma inclinada de 4,50x4,50 metros que, pelas sua característica aberta e convidativa, sediou diversas atividades educativas e performáticas.



















Perspectiva axonométrica








Mark