Prática em arquitetura


Rio de Janeiro Brasil





INSTITUCIONAL

Centro Olímpico de Golfe

-



2012
Barra da Tijuca, Rio de Janeiro-RJ

*MENÇÃO HONROSA em Concurso Nacional

ÁREA 4.350 m²
EQUIPE Arquitetura Juliana Sicuro e Vitor Garcez (Oco) + Caio Calafate e Pedro Varella (Gru.a) + Gregório Rosenbusch. Miguel Nobrega (colaborador)




Distribuição do programa


PAISAGENS PRÓXIMAS


O edifício se implanta no terreno como um sistema de objetos definidos a partir do agrupamento, em quatro blocos, de programas afins. Club House: loja, pavilhão de eventos, restaurante, cozinha e apoio; Administrativo: recepção, administração, sala de múltiplos usos e sedes das confederações; Acesso ao Campo: conforto dos jogadores e garagem de carros elétricos; Academia. Três operações estruturam a organização espacial do conjunto. Estas têm por objetivo construir uma paisagem próxima ao edifício, áreas livres semi-contidas, que fazem uma mediação entre o edifício e a paisagem distante, o horizonte.  As operações são:


CONCAVIDADE


A articulaçãoem ângulo obtuso do Club House com o bloco administrativo define uma paisagem côncava na perspectiva de quem chega ao estacionamento e ao conjunto edilício. Esta operação geométrica estende o edifício sobre a paisagem e dá um sentido próprio à fração livre do terreno que com estas fachadas se relaciona.



PROXIMIDADE OU DISTANCIAMENTO


A relação da academia, um bloco independente, com o restante do programa, é de uma proximidade ou distanciamento controlado, aquelecapaz de estabelecer uma sinergia com o restante do conjunto, no sentido de gerar uma área livre de caráter doméstico, em sintonia com os outros programas que a compõem: administração, confederações, garagem.


PERÍMETRO DILUÍDO


O perímetro do edifício é desfolhado em camadas, tem espessura e profundidade, constitui-se não como uma pele mas como lugar de transição.





Planta baixa



Cortes


Detalhe 













Mark